Casamento gay repete ritos do tradicional

quinta-feira, 21 de julho de 2011


Inácio Handell, de 23 anos, e Cesar Dawol, de 32 anos, se uniram formalmente após dois anos vivendo juntos em VG

Como nas uniões tradicionais, os organizadores de eventos Inácio Handell, de 23 anos, e Cesar Dawol, 32, compareceram ao cartório do Distrito de Capão Grande, em Várzea Grande, ontem, ao meio-dia, para o casamento, acompanhados de testemunhas, amigos e parentes.

Eles são os primeiros da cidade e um dos poucos do Estado a se unirem formalmente desde a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), adotada em cinco de maio deste ano, que reconheceu direitos mútuos entre homossexuais e permitiu a oficialização em cartório.

Cesar e Inácio não imaginavam que chamariam tanto a atenção da mídia. A união deles, noticiada na edição de ontem do Diário, aconteceu sob lentes de fotógrafos e de muitas câmeras de televisão.

Entretanto, o nervosismo expressado por ambos não se restringia à presença de jornalistas. “Estamos dando um passo sério, assumindo um compromisso maior que o que já tínhamos vivendo juntos”, justificou Cesar.

Tensos, ambos ouviram a leitura do texto da “Escritura Pública de Declaração de União Estável”, a certidão de casamento das uniões homoafetivas, feita pela escrevente juramentada Patrícia Emerick.

A expressão de sorriso surgiu nos momentos seguintes, quando eles e as testemunham assinaram o documento, sendo aplaudidos pelas testemunhas, parentes e amigos que acompanhavam a cerimônia. Com uma cópia da declaração em mãos, Cesar disse: ”É, agora estamos realmente casados. “Esse ato fortalece nossa união”, completou Inácio.

Por causa do trabalho, Inácio e Cesar tiveram que adiar a lua de mel para o mês de setembro. O roteiro da viagem que ganharam de um dos padrinhos já está escolhido, inclui as praias do estado do Ceará, em especial da capital, Fortaleza.

Para os padrinhos Adriano Guedes e Almindo Filho, a união estável homoafetiva nada mais é que a expressão de sentido de amor e compromisso entre duas pessoas. Isso quer dizer que existe amor, independente de ser homem e mulher ou pessoas do mesmo sexo, observou Guedes.

No caso de Inácio e Cesar, o casamento aconteceu dois anos depois decidirem morar juntos. Eles se conheceram em julho de 2009, durante uma festa. Eles contaram que foi amor à primeira vista, mas somente um mês depois, quando se reencontraram em outra festa, começaram a namorar, e em duas semanas passaram a morar juntos.

1 comentários:

Anônimo disse...

Sem entrar de forma objetiva nas considerações e posicionamentos do vosso Blog, embora participe ativamente da discussão de muitos assuntos na Rede. Aqui também, estou participando, porquanto estou recebendo informações... E quanto à idéia de receber e fornecer informações agradeço o espaço, e peço e também sugiro a leitura do meu décimo sétimo Blog: O CASAMENTO GAY, A ADOÇÃO E O ESTUDO HOMOSSEXUAL NAS ESCOLAS, endereço ─ www.paradocola.blogspot.com .
Atenciosamente JORGE VIDAL